Walt Whitman - (1819-1882)
 

Walt Whitman - O poeta americano

Walt Whitman, nascido em Long Island, Estados Unidos, a 31 de Maio de 1819, foi um poeta, ensaísta, jornalista e humanista estado-unidense.

Considerado por muitos especialistas estrangeiros o maior poeta dos Estados Unidos, é visto como o primeiro poeta urbano.

Ninguém como ele até então enalteceu, com versos soberbos, o regime dos Estados Unidos da América, além de ter iniciado a emancipação da literatura do seus país do costume de imitar os europeus.

"Esta manhã, antes do alvorecer, subi numa colina para admirar o céu povoado,
E disse à minha alma: Quando abarcarmos esses mundos e o conhecimento e o prazer que encerram, estaremos finalmente fartos e satisfeitos?
E minha alma disse: Não, uma vez alcançados esses mundos prosseguiremos no caminho." (
Walt Whitman)

Whitman foi o poeta que primeiro conseguiu captar a essência do povo Americano e das mudanças políticas que o país passou depois da guerra civil americana. É considerado o melhor poeta americano e o mais representativo de um estilo poético livre e moderno. Autores como Fernando Pessoa se referem a ele como mestre e influência importante. Seu livro mais famoso é o Leaves of Grass (Folhas de Relva) de 1900.

Abrahão Lincoln na vésperas de seu assassinato, na noite de 13 de abril de 1865, confidenciou ao seu secretário John Hay que tivera um pesadelo onde aparecia como o comandante de um navio que, em meio a uma tormenta, se aproximava do porto de destino, mas sua sensação é que não concluiria a viagem.

Não sabe-se como Walt Whitman tomou conhecimento desse sonho, mas serviu de mote para que compusesse uma das mais belas elegias da língua inglesa moderna. O poeta se coloca como integrante da tripulação de um barco que, depois de terríveis desafios - a dolorosa guerra civil entre o Norte e o Sul, de 1861 a 1865 - consegue finalmente se aproximar do cais. Mas, justamente no momento da euforia, verifica que o capitão sucumbira repentinamente. Lá estava ele envolto em gotas de sangue vermelho: "Where on the deck my Captain lies / Fallen cold and dead." Por mais que tente reanimá-lo, não mais lhe responde. Não escuta mais a multidão que exulta lá fora. Ignora o toque dos clarins e os ramalhetes de flores, nem vê a bandeira içada em sua honra. Enquanto o povo ainda desconhece o ocorrido e comemora o fim da aventura, o poeta-marinheiro Whitman anda com tristeza pelo convés onde jaz seu capitão, caído, frio e morto.


O Captain! My Captain!
Oh Capitão! Meu Capitão

O Captain! my Captain! our
fearful trip is done,
The ship has weather'd every
rack, the prize we sought is won,
The port is near, the bells I hear,
the people all exulting,
While follow eyes the steady keel,
the vessel grim and daring;
But O heart! heart! heart!
O the bleeding drops of red,
Where on the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.


O Captain! my Captain! rise up
and hear the bells;
Rise up--for you the flag is flung--
for you the bugle trills,
For you bouquets and ribbon'd
wreaths--for you the shores a-
crowding,
For you they call, the swaying
mass, their eager faces turning;
Here Captain! dear father!
This arm beneath your head!
It is some dream that on the deck,
You've fallen cold and dead.
My Captain does not answer, his
lips are pale and still,
My father does not feel my arm,
he has no pulse nor will,
The ship is anchor'd safe and
sound, its voyage closed and done,
From fearful trip the victor ship
comes in with object won;
Exult O shores, and ring O bells!
But I with mournful tread,
Walk the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.

Oh capitão! Meu capitão! Nossa
viagem cheia de medo está acabada;
O navio resistiu a cada tormenta,
o preço que pagamos é a vitória;
O porto está perto, os sinos eu ouço,
as pessoas todas exaltadas,
Enquanto olhos seguem a firme quilha,
o barco sinistro e ousado;
Mas oh coração! coração! coração!
Oh o sangue escorrendo vermelho,
Onde no deck meu capão jaz,
Abatido frio e morto.

Oh capitão! Meu capitão! Levante
e ouça os sinos;
Levante, para você a bandeira flamula,
para você a corneta soa;
Para você ramalhetes e faixas adornam,
por você as praias estão enchendo;
Por você eles chamam,
a oscilante massa, suas faces ambiciosas mudando;
Aqui capitão! Querido Pai!
Esse braço envolvendo sua cabeça;
Será um sonho?
Você abatido frio e morto.

Meu capitão não responde,
seus lábios estão pálidos e imóveis;
Meu pai não sente meu braço,
ele não tem pulso nem vontade;
O navio está ancorado a salvo e saudável,
a viagem está terminada e feita;
De uma viagem cheia de temores, o navio vitorioso,
adentra com sua missão cumprida;
Exaltem, Oh praia, e toquem, Oh sinos!
Mas eu, com triste passadas,
Ando no deck em que meu capitão jaz,
Abatido frio e morto.

Tradução: Leonardo Meimes

< AutoStart=false>

Trecho do filme: "Sociedade dos Poetas Mortos" (prof. refere-se a Walt Whitman como Tio Walt)

Fonte: thesoundofsilence | wordpress | educaterra |

Se for de seu interesse leia mais sobre o tema

Voltar | Sobe

COMPARTILHE A MINIWEB EDUCAÇÃO COM SEUS AMIGOS